terça-feira, 14 de setembro de 2010

Questões de Interpretação de Texto. PM - Amapá




Atenção: As questões de números 1 a 6 baseiam-se no texto apresentado abaixo.

A crise que explodiu de forma inédita nos presídios de São Paulo comprova a falência definitiva do sistema penitenciário fechado e exclusivamente punitivo, em que a ênfase é a disciplina, e não a recuperação do criminoso. O problema é antigo e não é só nosso. Todos os seminários e discussões sobre o sistema penal condenam, há décadas, o que os especialistas descrevem como “ a
prevalência da idéia de segurança sobre a idéia da recuperação”. E condenam, também, a ilusão de que a segurança da sociedade consiste em trancafiar todo e qualquer tipo de criminoso, e não apenas aqueles de alta periculosidade. A afirmação acima foi tirada de uma conferência feita
em 1980 por um dos grandes advogados de São Paulo, Manoel Pedro Pimentel (1922-91), que viveu de perto o problema por ter sido Secretário de Justiça e de Segurança. Ele era bem explícito: “Acho que não há mais dúvida de que o sistema das prisões fechadas não tem condições de promover a
reabilitação social de um indivíduo.” Uma das provas da falência é a taxa altíssima de reincidência. Estudos diferentes mostram que entre 40% a 60% dos criminosos acabam voltando
para a prisão.
Marcelo Beraba, Folha de S. Paulo, 23 fevereiro 2001


1. É correto afirmar que no texto o autor, principalmente,

(A) condena as sociedades que buscam manter afastados, em presídios mal administrados e com pouca segurança, aqueles que não cumprem suas regras.

(B)) defende a opinião de que é importante em qualquer sociedade proteger os cidadãos de situações de violência, mantendo presos os que agem de maneira contrária às suas normas.

(C) desenvolve a idéia de que o sistema carcerário deve privilegiar a reabilitação do criminoso e não apenas mantê-lo obrigatoriamente afastado do convívio social.

(D) considera que, na violenta sociedade atual, os bandidos gozam de mais privilégios do que os
cidadãos comuns, já que o sistema penitenciário é antigo e pouco eficiente.

(E) baseia-se em estudos feitos recentemente em vários países, para propor novos métodos de recuperação de criminosos, inclusive por meio de severas punições.


2. o que os especialistas descrevem como “ a prevalência da idéia de segurança sobre a idéia da recuperação”. O segmento grifado significa, considerando-se o contexto, que

(A) é mais importante punir com o encarceramento do que recuperar o indivíduo marginalizado.

(B) nem sempre a punição se torna fator de recuperação dos indivíduos encarcerados.

(C) só ocorre a recuperação do criminoso se houver a devida punição da infração cometida.

(D) a recuperação de criminosos e a segurança da sociedade são noções que têm o mesmo valor.

(E)) a punição de criminosos deve ter mais importância, para garantir a segurança da sociedade.


3. Estudos diferentes mostram que entre 40% a 60% dos criminosos acabam voltando para a prisão.

A afirmação acima foi usada para comprovar que

(A) falta mais disciplina nos presídios atualmente, tanto para criminosos quanto para os responsáveis.

(B) nem sempre é necessário manter os criminosos afastados da sociedade, em prisões fechadas.

(C)) a ausência de controle dos prisioneiros dentro das penitenciárias é elevada, por falta de especialistas em segurança.

(D) um sistema penitenciário fechado e baseado apenas na imposição da disciplina não apresenta bons resultados, como deveria.

(E) é possível recuperar praticamente todos os criminosos, desde que eles estejam dentro das prisões.


4. Há dois trechos do texto que estão entre aspas porque eles

(A) introduzem idéias de outra pessoa, que são contrárias ao desenvolvimento do texto.

(B) são uma citação fiel das palavras de especialistas em segurança pública.

(C) interrompem o desenvolvimento lógico das idéias do texto.

(D)) indicam o assunto principal do texto, do qual partem as idéias secundárias.

(E) resumem os problemas discutidos habitualmente pelas autoridades em suas reuniões.


5. A conferência foi feita em 1980 por um dos grandes advogados de São Paulo.

Transpondo-se a frase acima para a voz ativa, a forma verbal passa a ser

(A)) foram feitas.
(B) tinha feito.
(C) fizeram.
(D) fez-se.
(E) fez.


6. As palavras que recebem acento pela mesma razão que o justifica em secretário são

(A) idéia e décadas.
(B) inédita e também.
(C) falência e indivíduo.
(D) conferência e só.
(E) seminários e há.


Atenção: As questões de números 7 a 15 baseiam-se no texto apresentado abaixo.

A reação mais comum das pessoas diante da criminalidade é um sentimento de revolta e medo. O que difere é a forma como cada um lida com o problema. Alguns acreditam que não há como escapar quando a violência bate à sua porta. A saída é entregar todos os seus pertences e torcer para que não haja nenhum tipo de violência física. Outros imaginam que é possível reagir, enfrentar o bandido e vencê-lo. São essas pessoas que portam armas ou as têm guardadas em casa para se proteger. Quem é a favor do porte e do uso desses instrumentos sustenta que, se eles fossem proibidos, os bandidos reinariam absolutos contra o cidadão já indefeso pela ineficiência da
polícia. Outra argumentação é que os delinqüentes sempre escolhem como vítimas os que são incapazes de resistir. A arma teria um efeito preventivo ao criar algum grau de dificuldade.
Por mais razoáveis que pareçam, esses argumentos são apenas frações da verdade. As estatísticas policiais revelam que andar armado nem sempre é sinônimo de estar protegido. Ao contrário. Usar uma arma, mais do que perigoso, pode ser letal - especialmente quando se tenta reagir a um
assalto.
Veja Especial - Sua Segurança


7. Um dos argumentos apresentados no texto em defesa do porte de arma é:

(A) ela permitiria que a vítima continuasse com seus pertences e não os entregasse aos bandidos.

(B) é possível, com ela, enfrentar e subjugar os bandidos, saindo-se bem de qualquer assalto.

(C)) pessoas mais fracas, mesmo sem a ajuda da polícia, poderiam desarmar os bandidos.

(D) pessoas comuns não teriam como defender-se de bandidos, pois somente estes fariam uso delas.

(E) não é somente a polícia que deve proteger os cidadãos e, portanto, eles precisam usar armas para defender-se.


8. A arma teria um efeito preventivo ao criar algum grau de dificuldade.

Observa-se no segmento acima uma relação de

(A) explicação e restrição.
(B) tempo e espaço.
(C) proporção e finalidade.
(D) condição e conclusão.
(E) causa e conseqüência.


9. ... entregar todos os seus pertences. ... os delinqüentes escolhem suas vítimas.

Substituindo-se os termos grifados pelos pronomes correspondentes, a forma correta será

(A) entregá-los - escolhem-nas
(B) entregá-los - escolhem elas
(C) entregar-lhes - escolhem-as
(D) entrega-lhes - escolhem-nas
(E) entregá-los- escolhê-las


10. ... os bandidos reinariam absolutos contra o cidadão já indefeso ...

O emprego da forma verbal grifada na frase acima indica

(A) um fato real, que se segue a outro, anterior.
(B) uma situação provável, que depende de certa condição.
(C) a continuidade, no presente, de uma ação realizada no passado.
(D) uma ação real, terminada no passado, sem limites precisos.
(E)) a repetição de uma ação que se projeta no futuro.


11. ... para que não haja nenhum tipo de violência física.

O verbo que apresenta o mesmo tempo e modo da forma grifada acima está na frase:

(A)) se fossem proibidos...
(B) os delinqüentes sempre escolhem como vítimas ...
(C) a arma teria um efeito preventivo ...
(D) por mais razoáveis que pareçam ...
(E) quando se tenta reagir a um assalto...


12. ... como cada um lida com o problema.

A mesma regência exigida pelo verbo grifado acima está na frase:

(A) é um sentimento de revolta e medo.
(B) entregar todos os seus pertences.
(C)) os que são incapazes de resistir.
(D) a arma teria um efeito preventivo.
(E) quando se tenta reagir a um assalto.


13. A concordância, nas frases adaptadas do texto, está feita em desrespeito à norma culta em:

(A) As reações mais comuns são sentimentos de revolta e medo.
(B) A diferença está nas formas como alguns lidam com os problemas.
(C) Os dados indicam que o uso de armas podem ser perigosos, resultando em graves ferimentos.
(D)) Nem sempre é possível, para uma vítima, reagir contra os bandidos e dominá-los.
(E) A saída é torcer para que não haja agressões físicas durante os assaltos.


14. O bandido tem .......... seu favor o elemento surpresa e a vítima, geralmente indefesa, nem sempre resiste ........ agressão pois, se o fizer, poderá ser ferida ou mesmo morta .......... tiros.

As lacunas da frase apresentada acima estão corretamente preenchidas por

(A) a - à - à
(B) a - à - a
(C) a - a - a
(D) à - à - a
(E) à - a - à


15. Encontram-se palavras escritas de maneira INCORRETA na frase:

(A)) O modelo carcerário, tal como se apresenta, em vez de recuperar delinqüentes, acaba sendo uma escola de pervercidade e de incensatês.
(B) Diz um ditado popular que o crime não compensa, mas nem todos os delinqüentes recebem a devida punição pelos atos cometidos.
(C) Haverá sempre opiniões divergentes a respeito do porte de armas a cidadãos inexperientes, que acabam sendo vítimas de atitudes violentas.
(D) Agir com bom senso, não se expondo demasiadamente, é uma forma de as pessoas se protegerem da violência de um marginal.
(E) Alguns assaltantes agem por impulso, mas a maioria planeja bastante bem suas ações, embora também esteja sob pressão, como sua vítima, no momento do ataque.


Gabarito

1.C; 2.A; 3.D; 4.B; 5.E; 6.C; 7.D; 8.E; 9.A; 10.B; 11.D; 12.E; 13.C; 14.B; 15.A

Nenhum comentário:

Postar um comentário